Coronel Bicaco: Avô passa Dia dos Pais com neta de 5 meses após filha morrer de Covid no RS: ‘Recompõe muita coisa’

Foto: Arquivo Pessoal

Este domingo (8) será o primeiro Dia dos Pais de Silvio Pinheiro de Campos sem a filha mais velha, Silmara, mas também o primeiro com a companhia da neta, Isabely Vitória. A família de Coronel Bicaco, no Noroeste do Rio Grande do Sul, sofreu com a perda da jovem, que faleceu aos 20 anos em decorrência da Covid.

O parto de emergência foi realizado aos 7 meses de gestação. Isabely nasceu em março, com 1,5 kg. Cerca de um mês depois, a mãe não resistiu à Covid e faleceu. Quatro dias depois, a menina teve alta e foi para casa com os avós.

Continua após as publicidades...

Receba notícias do site Portela Online pelo Whatsapp - clique aqui para entrar no grupo. Não tem mais vaga? Envie uma mensagem para (55) 99631-9327. Continua o texto...

“A falta da Silmara ainda continua, mas a Isabely recompõe muita coisa”, afirma o pintor, de 49 anos, que além de Silmara ainda é pai de um jovem de 18 e uma segunda filha, que fez 20 anos na última semana.

A criança completou cinco meses na quinta-feira (5). Se recuperou bem do período de internação, e já tem 6 kg. “Ela depende muito do nosso cuidado mas graças a Deus, a gente tá tendo o cuidado necessário, o apoio dos amigos dos familiares. A gente vai conseguindo superar tudo isso aí”.

Além de Silmara, a esposa Selma, de 40 anos, também contraiu a doença, mas não teve complicações maiores. “Não tem explicação a tristeza, angústia e ansiedade [da internação de Silmara]. Tudo que é de ruim passou pela gente. É inexplicável”.

Quando Silmara estava internada, Silvio relata que o médico que cuidava da filha ligou para avisar que faria o parto de emergência. “Ele disse ‘Silvio, a gente vai tentar salvar a Silmara, mas não garante o bebê. Quando nasceu, ele disse ‘o bebe tá bem, agora vamos lutar pela Silmara”, recorda.

O Dia dos Pais será a primeira data comemorativa desde que Silmara faleceu. “Não vai ser muito fácil porque ela sempre esteve junto com a gente. Nesse dia ela vai fazer falta. Não vai estar junto com os irmãos, com o meu pai, a minha mãe”, lamenta.

“Não vai ser aquele dia de alegria. Mas vamos ter que aprender a conviver com isso. Se não for alegre agora, os próximos que virão de repente serão bem melhores”, reconhece.

Fonte: G1/RS

Deixe um comentário