Mulher que teve quadro de ‘autorressuscitação’ morre em Cruz Alta

Maria Margarete, 62 anos, foi dada como morta e estava viva — Foto: Arquivo pessoal

Um mês depois de ter um quadro de autorressuscitação Maria Margarete dos Santos Jesus, de 62 anos, morreu, na madrugada desta sexta-feira, 21 de maio, em Cruz Alta, no Noroeste do Rio Grande do Sul. Segundo o Hospital São Vicente de Paulo, onde estava internada, ela teve um choque séptico.

No dia 23 de abril, a idosa havia sido dada como morta após passar mal e não ter conseguido ser reanimada pela equipe da UPA de Cruz Alta. Uma hora depois ela voltou a respirar, de acordo com a UPA e foi transferida para o Hospital em Ijuí. Desde então, ela estava em estado grave.

Continua após as publicidades...

Receba notícias do site Portela Online pelo Whatsapp - clique aqui para entrar no grupo. Não tem mais vaga? Envie uma mensagem para (55) 99631-9327.

Continua a notícia...

“[Ela voltou a respirar] exatamente uma hora depois. É o tempo que eventualmente pode acontecer, neste caso, para esta síndrome, a chamada Síndrome de Lázaro, que é a autorressuscitação após manobras de atendimento à parada cardíaca sem sucesso, que foi o primeiro passo”, disse o diretor técnico do Instituto de Administração Hospitalar e Ciências da Saúde (IAHCS), que administra a UPA, o médico Sérgio Ruffini.

Maria Margarete será sepultada às 15h no cemitério municipal de Cruz Alta.

Relembre o caso

Segundo a filha de Maria, Adriane Santos, a idosa passou mal na quinta-feira, dia 22 de abril e desmaiou em casa. A paciente foi levada pela família à UPA de Cruz Alta, onde chegou sem pulsação. A equipe tentou reanimá-la por cerca de 40 minutos.

A médica que atendeu Maria informou Adriane sobre o falecimento e a certidão de óbito foi emitida. Enquanto Adriane encaminhava o enterro de Maria, ela recebeu uma ligação da UPA.

“Meu telefone tocou e era uma mulher pedindo pra eu ir na UPA. Eu pedi pro meu irmão ir, porque eu achei que era pra liberar o corpo da minha mãe. Daí eu desliguei o telefone e liga a minha cunhada [dizendo] ‘a tua mãe tá viva’. Como que a minha mãe está viva se eu estou com [a certidão de] óbito dela aqui e a funerária está indo buscar o corpo dela na UPA?”, relata Adriane.

Após voltar a apresentar sinais vitais na UPA, Maria foi transferida para o Hospital de Caridade de Ijuí, para uma operação para implante de uma mola no coração.

Deixe um comentário