A Linguagem das Comunicações – Rabiscos do Silêncio


Todos nós fazemos parte integrante da linguagem deste mundo, pois somos imbuídos de sentimentos que precisam estar ligados à transformação que eles provocam em nossa personalidade.

Muitas vezes, ao comprovarmos a beleza comovente que a natureza apresenta, não damos a devida importância a esta comunicação perfeita que ela traz até nós. E é algo extraordinário poder extrair coisas tão profundas a partir da forma como tudo foi feito para o nosso bem.

Continua após as publicidades...

Receba notícias do site Portela Online pelo Whatsapp - clique aqui para entrar no grupo. Não tem mais vaga? Envie uma mensagem para (55) 99631-9327.

Continua a notícia...

E nesse contexto, fica claro que todas as coisas têm a sua linguagem própria de se comunicar. As estações, por exemplo, que possuem em sua divisão três meses por ano, em cada uma delas apresenta sua comunicação expressa numa linguagem única da natureza. Dessa forma, quando faz frio, por vezes vemos os campos cobertos de geada significando a linguagem da morte para muitas espécies, mas ao mesmo tempo a comunicação da vida que se renova dando lugar a um novo ciclo.

Assim acontece com o verão que faz a comunicação do calor, provocando a germinação da linguagem da sintonia da vida com tudo o que manifesta resistência à temperatura natural. Dessa linguagem vem uma mudança do comportamento da natureza que precisa se adequar, equilibrar a comunicação do sol na irradiação da energia quente e luminosa, a qual ocorre mais intensamente nessa época do ano. Na mesma linha também a primavera e o outono, possuem na sua linguagem a volta das flores e brotação das plantas, numa comunicação espontânea em sintonia organizada.
Existem as linguagens que são permanentes. Exemplo esse que cabe às mães por comunicarem amor, doação e dedicação. Quando a mãe gera um filho, ninguém mais apaga essa linguagem ou esse título que fica escrito e registrado na comunicação da vida, de maneira única e indissolúvel. Lembrando que o mesmo vale também para as mães que escolhem a linguagem de acolher filhos pelo caminho do coração, da “adoção”, sabendo da grande responsabilidade que terão em usar uma comunicação que faça a criança sentir-se bem num ambiente acolhedor e de harmonia. Elas merecem linguagens de respeito e comunicações de incentivo.

Muitas linguagens nós percebemos através da comunicação do olhar, quando contemplamos pessoas e conseguimos captar através de seu rosto um sentimento organizado que define se ela estiver: alegre, triste, preocupada ou em estado de serenidade. São manifestações que comunicam diversas interpretações e muitas vezes carecem de uma melhor avaliação por parte dos nossos próprios sentimentos, pois precisamos saber elaborar linguagens favoráveis a fim de podermos comunicar palavras seguras, na medida certa, de acordo com o momento que a pessoa estiver passando.
Precisamos habituar-nos à formulação de linguagens favoráveis à consciência, pois muitas pessoas necessitam de comunicações abertas, com horizontes centralizados em objetivos claros de restabelecimento na vida. É preciso ter sensibilidade com os que perderam a linguagem do sentido da existência e não conseguem produzir comunicações positivas. Essas pessoas carregam muitos sofrimentos em seu inconsciente. É importante saber sintonizar, ajudando-as a removê-los com práticas de paz interior, exercitando e levando uma comunicação de amor e uma linguagem que transforme vidas.

Deixe um comentário