Cuidar para receber – Rabiscos do Silêncio

Quando nós recebemos algo com amor, ficamos entusiasmados e pensamos em retribuir usando de criatividade que brota do coração. Compenetrados, enviamos sugestões a nossa consciência que logo abre interpretações da imaginação e o pensamento vai ao encontro da solução que se fixa na marca do presente oferecido.


Continua depois da publicidade...
Continue lendo...

Neste sentido, os verbos cuidar e receber têm um significado importante em nossa vida, pois traçam o perfil de responsabilidade que se concentra na partilha do querer bem ao outro. Existem muitas traduções que fazem com que sintamos uma sintonia forte entre o dar e o receber algo, a qual surpreende a nós e também a quem presenteamos com alguma lembrança ou gratificação por alguma ajuda recebida. Muitas vezes um presente demonstra a sintonia do amor, que liga-nos ao aprendizado da domesticidade da alma.

E nós, seres humanos, recebemos diariamente muitos presentes que a natureza nos oferece através das mãos poderosas de Deus Pai. É a chuva que rega as plantas, preenchendo as fontes, rios ou restingas com agua simbolizando a vida. O sol que dá sustentabilidade ao equilíbrio do universo. O ar que não vemos, mas sentimos ao respirarmos no exercício suave da função que ativa a vida em cada ser.

Isso liga-nos a outros presentes que estão diretamente ligados ao cuidado com o organismo: a alimentação com frutas, verduras e legumes; o vestuário, com roupas e calçados e tantos outro exemplos. Tudo vem da natureza de forma espontânea permitindo viver e conviver em uma sintonia de paz, seja no trabalho, lazer ou descanso, pois até mesmo nas tecnologias envoltas em sabedoria e natureza se faz presente. Numa secreta valorização de cada um de nós, que recebe gratuitamente a matéria para ser transformada pela ação humana.

Mas esses presentes também exigem cuidado e responsabilidade , numa abertura que envolve tudo o que representa a coletividade humana. É importante não desprezá-los com a exploração inconsequente e nem utilizá-los como forma de poder que interfere diretamente na vida dos menos favorecidos materialmente, os quais sofrem pela falta de partilha e de oportunidades na vida. Alidade mostra amontoados de bens materiais nas mãos de poucos, enquanto muitas pessoas sofrem de estômago vazio pela falta de alimento, embora o mundo apresente os nutrientes que a natureza presenteou para o bem de todos nós.

Precisamos valorizar-nos como seres integrados harmonicamente com a natureza, por tudo o que ela representa para cada um de nós. O sol, a água, a terra e o ar são presentes de Deus que exigem cuidado para que possamos continuar recebendo essas valorosas dadivas, numa atitude de preservação das ideias que identificam presença da vida na extensão terrena. Todas as vezes que nós cortamos uma árvore, jogamos lixo no ambiente ou poluímos o ar, mesmo sabendo que não é certo, estamos faltando com a responsabilidade e até com a inteligência, desprezando esses maravilhosos presentes.

E quando acontecem fenômenos climáticos como: secas ou estiagens, gerando escassez de água, a vida fica comprometida. Parece que a água se some nas fontes, lagos, rios ou restingas, mais depressa que até poucos anos atrás. E quando a situação se inverte ocorrendo enchentes, com pouco tempo de chuvas já se tem áreas alagadas, parecendo que o solo não tem mais a capacidade de absorver o precioso líquido, pois faltam árvores e também organização da terra para que possa receber a chuva e dar conta de estocá-la.

As ondas de calor fora de época ou temperaturas extremamente frias oriundas de regiões polares, numa inversão das estações, são indícios de que precisamos valorizar com mais amor os presentes da natureza. Cuidar é o segredo para que possamos sentir a vida fluir mais harmonicamente. Todos são bens universais, mas precisam encontrar sentido na nossa existência. Não se pode desprezar essa oferta essencial com exploração, mas precisamos agir com uma limpeza da consciência, na valorização do presente que Deus destinou a todos nós.

Post Author: Portela Online