Pai e Mãe prestam homenagem pela passagem de um ano de falecimento de Andrei Franchini

Foto: Perfil Facebook

Um anjo do céu que veio para nós, uma jóia perfeita, cheia de sabedoria. Não nos ensinam a despedida, mas a fé nos faz acreditar que é apenas um “até um dia”. Até porque, como você mesmo nos disse: “O pouco que a gente sabe é o que a gente sabe”.

Teremos que nos fortalecer e aprender sempre…

Continua após a publicidade...

Andrei, você sempre foi poesia, traduzia em suas ações muita alegria, energia positiva e uma educação exemplar. Sempre será o nosso menino!

Um ano daquele dia que o nosso mundo parou, parou para todos que te amavam, te cuidavam e te admiravam… Você sabe o quanto todos se empenharam para ter você de volta e, ao mesmo tempo, para deixar você ir, nos braços do pai eterno. Quantos corações ficaram em pedaços, querido Andrei… Você foi e é muito amado! Os anos vão passar e você será eterno nos corações que tocou com seu jeito Andrei de ser.

Te amamos além do horizonte…

Hoje, um ano sem teu sorriso e sua companhia física, a saudade aperta o peito, mas também nos permite acreditar que fostes um enviado de Deus. Amastes intensamente e de forma incondicional seus pais, seus avós, familiares e todos os seus amigos. Vivestes lindos momentos aqui no plano terrestre, ao lado dos pais fostes o menino da família, trabalhador, determinado e de personalidade forte, já sabias o que queria para seu futuro… cuidar da Terra, estar com a Terra. A Agronomia foi consequência das suas alegrias e amores que sempre nutriu com muita responsabilidade e carinho pela mãe Terra.

Andrei, você nos ensinou tanto!

Hoje percebemos que você fazia parte da mãe natureza de uma forma única e cheia de propósitos, ela te cuidava e você cuidava dela. Sabias que estavas aqui de passagem e fazia de tudo para cuidar do nosso bem maior.

Você nunca foi nosso, sempre foi do universo e é para ele que hoje olhamos e te vemos nas mais lindas formas… nas rosas que a sua mãe cultiva, na lavoura que o teu pai cuida… nos animais que eram seus amigos, no nascer e no por do sol que aquecem nosso coração quando a saudade bate forte em nosso peito, na água que te batizou e te levou, te acolhendo nos braços e te dando o descanso eterno. Ficas bem, sofremos com tua partida, mas sabemos que teu lugar estava preparado e guiado por Deus!

Andrei não podemos negar a falta que você nos faz, mas não podemos deixar de agradecer a Deus pelo ser humano maravilhoso que ele nos emprestou por um tempo, para amar e cuidar. Como poesia em nossa memória, você sempre será lembrado. Somos gratos e nos orgulhamos de ter convivido com o menino/homem lindo que você se tornou.

Encontramos na poesia de Cora Coralina palavras que traduzem sua passagem, sua vida em nossas vidas:

…Eu sou a terra, eu sou a vida.

Do meu barro primeiro veio o homem.

De mim veio a mulher e veio o amor.

Veio a árvore, veio a fonte.

Vem o fruto e vem a flor.

… E um dia bem distante

a mim tu voltarás.

E no canteiro materno de meu seio

tranquilo dormirás.

Plantemos a roça.

Lavremos a gleba.

Cuidemos do ninho,

do gado e da tulha.

Fartura teremos

e donos de sítio

felizes seremos.

…Que você viva no sítio eterno do pai!

Te amamos, Andrei!!!

Em decorrência da pandemia não haverá celebração no cemitério para evitar aglomeração. A família convida a todos para entrarem em corrente de oração às 18h desta sexta-feira, 6 de novembro de 2020.

Andrei Franchini e seus pais, Bianor Franchini e Lisiane Franchini / Foto: Arquivo Familiar

Post Author: Portela Online