Polícia Civil segue buscas por dentista desaparecida na Região Central

Bárbara é natural de Tupanciretã onde reside / Foto:  Arquivo Pessoal

A Polícia Civil segue tentando localizar a dentista Bárbara Machado Padilha, 32 anos, desaparecida desde a noite de sábado (10), na Região Central. Ela foi vista pela última vez em Santa Maria – a cerca de cem quilômetros de Tupanciretã, município onde mora.

Na manhã desta segunda-feira (12), foram feitas buscas com auxílio do Corpo de Bombeiros em uma área junto à BR-392, em Santa Maria, no trajeto a Itaara. Além disso, 12 policiais civis estão atrás de informações que possam levar ao paradeiro da dentista.

Continua após a publicidade...
Continua o texto...

Segundo a polícia, a procura realizada pelos investigadores seguirá nesta terça-feira (13). Já o trabalho com auxílio de bombeiros só será retomado caso haja alguma pista mais concreta do local onde Bárbara possa estar. A dentista teria saído de casa somente com dinheiro e telefone celular, mas o aparelho está desligado.

Conforme a investigação, Bárbara deixou Tupanciretã em um táxi executivo, e foi vista pela última vez em um posto de combustíveis no acesso a Santa Maria. A Polícia Civil divulgou na manhã desta segunda imagens da câmera de monitoramento do posto – o registro é das 19h29min de sábado.

Pelas imagens, é possível ver que a dentista desembarca de um carro (que seria o táxi) e entra na loja de conveniência, sozinha. Ela pagou em dinheiro por uma água mineral e um doce – saiu do estabelecimento às 19h53min caminhando. Depois disso, não foi mais vista.

Bárbara teria saído de Tupanciretã sem avisar ninguém, deixando documentos e cartões. As imagens indicam, segundo os investigadores, que ela partiu do município por conta própria. No domingo, a mãe de Bárbara, Magda Padilha, disse a GZH que a filha não tinha motivos para desaparecer.

— Ela está muito bem, no casamento, no trabalho. É muito amada, inteligente. Não demonstrou nenhum indício de depressão, nada. Passamos a noite inteira procurando por ela, só quero a minha filha de volta — desabafou.

O delegado regional, Sandro Meinerz, relatou que o marido da dentista — última pessoa da família com quem Bárbara teria tido contato antes de sumir — disse ter percebido que nos últimos dias a esposa estava mais em silêncio, desmotivada, e até pensou em procurar ajuda de um psicólogo para a ela. Bárbara esteve no escritório de advocacia do marido antes de seguir para a residência deles na tarde de sábado. O advogado contou que ao chegar em casa encontrou somente os pertences da mulher.

Corrida

A investigação descobriu que na sexta-feira (9) Bárbara teria tentado pegar outro táxi executivo para leva-la até Santa Maria. No entanto, ela teria usado outro nome e, por temer que fosse um golpe, o motorista não aceitou a corrida. Meinerz diz ainda que, nos últimos dias, a dentista teria se informado sobre o trajeto, valores e transporte entre os municípios.

— No fim de setembro, ela já havia consultado motorista e perguntado quanto ele cobraria, numa viagem só de ida até Santa Maria. Fica bem evidente que ela tinha essa intenção. Que ela havia planejado deixar Tupanciretã e vir para Santa Maria. A motivação precisa ser esclarecida — afirmou o delegado.

Outras imagens estão sendo procuradas para tentar definir outro possível trajeto feito pela dentista. Qualquer informação pode ser repassada para a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Santa Maria, pelo telefone (55) 3221-2809. Também é possível repassar informações pelo Disque Denúncia: 181.

 

 

Fonte: GauchaZH

Post Author: Portela Online