Mapa definitivo mantém três regiões em bandeira amarela no Rio Grande do Sul

Depois de três meses com rígidas restrições à circulação de pessoas, o modelo do Distanciamento Controlado volta a permitir as medidas mais brandas previstas no sistema de bandeiras criado pelo governo do RS. O mapa definitivo foi divulgado nesta segunda-feira após análise do Gabinete de Crise do único pedido de reconsideração à classificação preliminar, que foi indeferido.

A partir desta terça-feira até a próxima segunda, as regiões Covid de Bagé, Palmeira das Missões e Pelotas, as únicas a apresentarem risco epidemiológico baixo, poderão adotar os protocolos de bandeira amarela.

A última bandeira amarela no mapa do Distanciamento Controlado havia sido na oitava rodada, entre 30 de junho e 6 de julho. Agora, na 23ª semana do modelo, o Estado apresenta, além das três bandeiras amarelas, as outras 18 com laranja (risco epidemiológico médio).

Recurso indeferido

O único pedido de reconsideração encaminhado nesta rodada, do município de Três Arroios, que integra a região de Erechim, para passar de bandeira laranja para amarela foi indeferido, porque o modelo de Distanciamento Controlado não prevê a possibilidade de recursos buscando que uma cidade, isoladamente, alcance uma bandeira de menor risco epidemiológico à classificação atribuída pelo mapa. Entre os indicadores do modelo está a capacidade de atendimento de saúde tanto da região Covid como da macrorregião.

Erechim está com bandeira laranja, mas integra as 18 regiões que estão no sistema de cogestão e já adotam protocolos alternativos e menos restritivos às bandeiras definidas pelo Estado. Apenas Uruguaiana, Bagé e Guaíba ainda não aderiram à cogestão.

As regiões em cogestão classificadas em bandeira laranja podem adotar regras de bandeira amarela, desde que enviem os seus protocolos ao governo e obtenham aprovação. No entanto, a cogestão não altera as cores do mapa definitivo.

Melhora nos indicadores

Em todo o Estado, se verificou uma estabilidade ou melhora na maioria dos indicadores monitorados pelo Distanciamento Controlado, como registros de novas hospitalizações (-29%) e óbitos (-7%). Houve estabilidade no número de internados por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) ou por Covid-19 em UTIs e um leve aumento nos internados com Covid-19 em leito clínico.

Mesmo contabilizando pacientes internados por outras causas, os números apontam leve queda na quantidade de UTIs ocupadas. A manutenção do total de leitos de UTI se traduziu em leve aumento na razão de leitos livres para cada ocupado por Covid-19.

A melhora de indicadores tem sido verificada nas últimas três rodadas. Na 21ª, todas as 21 regiões foram classificadas em laranja, e na 22ª, somente a região Covid de Santa Maria ficou em bandeira vermelha. A 23ª rodada, por sua vez, traz três regiões em bandeira amarela e 18 em bandeira laranja. Dos 497 municípios gaúchos, 284 não apresentaram registro de hospitalizações e óbitos por Covid-19 nos últimos 14 dias.

Regra 0-0

Como não há regiões em bandeira vermelha, não será necessário, mais uma vez, aplicar a Regra 0-0, que permite com que municípios pertencentes a regiões classificadas em risco alto e que não tenham registro de óbito ou de hospitalização de moradores nos últimos 14 dias possam adotar regras da bandeira laranja.

Post Author: Portela Online