Decreto do governo do RS ajusta restrições na bandeira vermelha

Meramente ilustrativa – Fernando Frazão/Agência Brasil)

O governo do Rio Grande do Sul fez nesta terça-feira, 11 de agosto, algumas modificações no último decreto do sistema de Distanciamento Controlado divulgado nessa segunda. As mudanças atingem trabalhadores do comércio e restaurantes em cidades que estão classificadas na bandeira vermelha. Elas estão publicadas no Diário Oficial Eletrônico do Estado.

Os comerciários poderão trabalhar até 4 dias na semana, no máximo sete horas por dia, entre 9h e 17h, e conforme Decreto municipal. Já os trabalhadores da alimentação cumprem as mesmas normas, porém, podem se manter em atividade durante cinco dias.

Continua após as publicidades...

Receba notícias do site Portela Online pelo Whatsapp - clique aqui para entrar no grupo. Não tem mais vaga? Envie uma mensagem para (55) 99631-9327. Continua o texto...

O governador Eduardo Leite divulgou na segunda-feira que nove regiões ficaram com a bandeira vermelha na 14ª rodada do Distanciamento Controlado. São elas: Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Taquara, Passo Fundo, Capão da Canoa, Palmeiras das Missões, Erechim e Pelotas.

O gabinete de crise aceitou os pedidos de reconsideração das regiões de Uruguaiana, Guaíba e Lajeado, que retornam para a bandeira laranja, além dos municípios de Iraí e Ivoti que também apresentaram pleitos que foram deferidos.

As regiões de Santa Maria, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul e Cachoeira do Sul permanecem com a bandeira laranja. Ao todo, o Estado recebeu 25 pedidos de reconsideração, o menor número desde que se iniciou a possibilidade de associações ou municípios entrarem com recursos contra as sinalizações do mapa.

As regiões da bandeira vermelha devem seguir maiores restrições para prevenir o contágio a partir da meia-noite desta terça-feira até o dia 17 de agosto.

Leite confirmou que a cogestão do Distanciamento Controlado começou a valer nesta 14ª rodada no Rio Grande do Sul. Nesse novo modelo, as regiões que não estiverem de acordo com a leitura das bandeiras de risco ao coronavírus poderão alternar os protocolos de restrições, caso tenham a aprovação de pelo menos 2/3 dos prefeitos que compõem a respectiva região.

 

Fonte: Correio do Povo

Deixe um comentário