Conto mágico gaúcho – Literature-se


Dentre os inúmeros contistas brasileiros contemporâneos, Charles Kiefer se destaca pela produção de enredos que se passam no Rio Grande do Sul. Diferente de João Simões Lopes Neto, que por meio de obras como Contos Gauchescos e Lendas do Sul apresentou aos leitores o gaúcho e suas tradições, Kiefer fala de histórias de homens comuns, normalmente descendentes de colonizadores, que até participam de guerras, mas que vivem intensamente suas dores e seus amores.

É o caso do conto mágico O Poncho, que narra a história de Fernando Konning, homem de guerras que deixou a prantear sua mais longa partida a amada Angélica, a qual definhou pela espera e saudade. Como outros grandes amores da literatura, esse também é trágico e inalcançável e condenou o protagonista “à solidão irremediável e à doença mais perniciosa e letal, a de viver com os olhos voltados para o passado (KIEFER, 2011, p. 15)”.

Além de sua visível beleza, o conto é revelador de costumes sulinos, ao falar de bailes e danças, bem como de outros costumes de séculos passados que ajudaram a formar o Rio Grande do Sul que temos hoje.

Nesse texto há, ainda, um elemento bastante importante, que é a paisagem sonora, a qual interfere no andamento da história e nas ações dos personagens. A respeito desse assunto, a revista O Eixo e a Roda, revista especializada em Literatura Brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais, publicou na semana passada um artigo.  Segue o link de acesso ao artigo:

http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/15600

Por profª Viviane Debortolli

Notícias pelo Whatsapp Clique aqui e entre no Grupo do Whatsapp do Portela Online e fique por dentro das notícias. Não tem mais vaga no grupo? Envie uma mensagem para (55) 99631-9327 e solicite um novo link gratuitamente.

Artigos relacionados

Fechar
%d blogueiros gostam disto: