Rabiscos do Silêncio – Destruir ou Constuir

Olhando as manifestações da natureza, poderemos extrair vários elementos que nos farão refletir sobre o equilíbrio que precisa acontecer em muitas situações da nossa vida, pois tudo é questão de entendimento e não de procurar destruir o outro com violência física, moral ou psicológica.

A natureza da qual fazemos parte nos dá essa dinâmica no entendimento que, com todos os elementos: sol, vento e chuva, pode ocasionar tanto destruição como  construção. Existem os chamados fenômenos naturais que são os excessos de chuva, vento ou sol, que podem vir acompanhados de temporais, queda de granizo, formando enchentes ou seca (estiagem) quando a falta de chuva se faz presente por um longo período de tempo.

Também podem ser de benefício, isto é, quando as chuvas acontecem dentro da media ou na normalidade e que chove de um, dois a três dias, após vem quatro, cinco dias de sol repetindo novamente os ciclos nas estações. Como exemplo nós temos a agricultura que necessita da chuva e sol no plantio, germinação, desenvolvimento, para que possa ter uma colheita abundante, ajudando as pessoas a construírem os seus planos com os tributos extraídos, promovendo geração de emprego e renda nos objetivos da confiança no trabalho exercido.

Tudo isso são manifestações da natureza que nos levam a sentir a beleza da vida jorrando paz e equilíbrio entre as pessoas. Ela nos ensina a buscar essa sabedoria e fazer das coisas que ela nos dá ferramentas para promover justiça, compreensão e amor. Não de destruir com violência, acúmulo de riqueza ou de transformar a nossa consciência em caminhos destrutivos como quando há a transformação da matéria prima que  produz para fazer drogas, armas ou objetos a fim de comunicar coisas supérfluas que sufocam a presença de Deus entre as famílias e a sociedade.

É preciso saber construir objetivos com a consciência livre, para amar, perdoar e respeitar, pois que proveito terá quem destrói a natureza? Quem prejudica a convivência entre as pessoas ou provoca desunião entre amigos e vizinhos?  Essas são coisas que fazem a vida perder o verdadeiro sentido, anulando a fé, compreensão e a gratidão. Criam barreiras sufocantes à manifestação do amor, que sem um ambiente favorável também não consegue produzir os frutos da paz e ser agente de construção entre as pessoas.

Muitas pessoas vivem destruídas pela fome, guerras e mentiras e pela falta de atenção. São crianças ou menores abandonados. É a falta de amor que faz a desigualdade se manifestar sem objetivos claros de intensificação do bem, desnorteando a inocência dessas indefesas e inocentes criaturas. Também em nossa sociedade são muitas situações que se criam para destruir a presença do amor. São pessoas que sofrem pela falta de compreensão, desnutridas espiritualmente, que passam o frio da amargura e solidão. Essas pessoas se encontram nos presídios, hospitais ou nas nossas próprias casas, pela falta de diálogo e um pensamento de luz para que possam sentir-se mais amadas.

Todos nós estamos sujeitos diariamente a destruir-nos exteriormente. Por alguma intempérie do clima: enchentes, vendavais,  queda  de granizo ou estiagem, também  acometidos por alguma doença, acidente, stress e depressão. Diante da vida ninguém está livre, pois fazemos parte da natureza humana. Mas quando essas coisas acontecerem em nossa vida, precisamos construir-nos interiormente assumido compromissos com a nossa consciência em levar conforto, solidariedade com ajuda financeira ou espiritual para  as pessoas atingidas. Não se pode ficar indiferente. É preciso aprimorar a vida sabendo intensificar a troca de experiências num aumento progressivo da fé.

Muitas vezes, quando acontecem fatos negativos que marcam profundamente nossa existência e parece não haver saída. Estamos destruídos, tanto interiormente como exteriormente, por vários motivos. E começamos a alimentar pensamento desagradáveis que vem pela formulação da nossa fraqueza emocional, prejudicando o estudo, trabalho e a relação entre as pessoas. Já não nos alimentamos direito, nem dormimos bem, mas de repente surge alguém com espírito compreensivo, indicando através de uma conversa amigável caminhos de reconstrução e então imaginamos sair desta negatividade e traçamos objetivos. Aos poucos tudo começa a mover-se e a reconstruir-se por dentro pela luz da paz interior na sua normalidade.

São as tempestades destruidoras que acontecem em nossa vida. Precisamos compreender que muitas pessoas têm o seu interior mais fragilizado por diversas circunstancias e enfrentam grandes sofrimentos pelo acúmulo de problemas. É preciso saber estacar as feridas com muito amor e ajudá-las a encontrar caminhos novos com horizontes de reconstrução, seja acalmando as tempestades com fé, compreensão e dinamismo ou levando a elas esperança, alegria, tendo pensamentos e palavras de conhecimento motivacional.

É muito bonito, quando as pessoas sabem se comprometer umas com as outras, pois a vida merece receber a liberdade de tempos favoráveis pela volta na confiança da reconstrução das pessoas que precisam ser agraciadas com as sementes da coragem, amor e paz.

Artigos relacionados

1 pensou em “Rabiscos do Silêncio – Destruir ou Constuir”

Fechar
%d blogueiros gostam disto: