Rabiscos do Silêncio – Sentir-se Bem – Portela Online
Clique aqui para acessar

Rabiscos do Silêncio – Sentir-se Bem

A beleza da vida se mostra pela sintonia que damos a ela. E o sentir-se bem é preciso estar associado às repostas que damos ao ambiente em que estivermos inseridos.

São muitas pessoas que se isolam em seus pensamentos particulares por não receberem um toque suave de amor e de acolhida, os quais fazem cruzar as fronteiras do preconceito e das manifestações contrárias a uma vida progressiva e cheia de experiências compartilhadas com uma convivência equilibrada na soma da coletividade.

São pessoas tristes, acabrunhadas que sofrem da paralisia emocional e trilham o caminho do desinteresse motivacional. Essas pessoas se encontram na rua, nos hospitais, nos presídios ou no nosso próprio lar. É um sofrimento que atinge o psiquismo e agride a personalidade humana, causando enormes prejuízos a convivência social e familiar dessas pessoas.

E todos nós precisamos estar inseridos no amor, onde estivermos. Seja na família, na escola, nas igrejas, no local de trabalho, entre amigos nos encontros formais ou informais. As pessoas merecem ser agraciadas com a alegria da acolhida, pois isso faz com que a vida ganhe dimensões profundas de serenidade e enriquece a convivência social numa sintonia que complementa a abertura da felicidade, ajudando-nos mutuamente.

Neste sentido, o sentir-se bem se converte na integralidade que nutre a perseverança das pessoas no caminho da felicidade. O exemplo das crianças, quando elas são aceitas pela convivência familiar, com amor que nasce do interior dos membros familiares e da sociedade, que acompanham esse novo ser com abertura de inserção ao coletivo, a criança encontrará caminhos seguros de paz e poderá desenvolver dentro das suas capacidades a autonomia na busca da felicidade.

Mas é preciso se dispor a aceitar as pessoas com intencionalidade fazendo o exercício de acolhida na pureza dos nossos sentimentos. Não desprezar os desejos de acolhida que se encontram alojados nas vidas das pessoas idosas. Elas podem desenvolver em nós a capacidade da busca incessante de trocas de experiências na partilha do diálogo aberto e cheio renovação interior.

Muitos desentendimentos poderiam ser evitados se as pessoas fizessem o propósito de alimentarem seus pensamentos com o positivismo centralizado nos vínculos do sentir-se bem, pois pensar mal das pessoas é provocar sentimentos agressivos, a si próprio e àqueles com que convive. E o sentimento agressivo torna o ambiente interno das pessoas carregado de negatividade pesada e com vários distúrbios emocionais.

É preciso valorizar-se depositando pensamentos de prosperidade, acolhida e positivismo no coração das pessoas. Isso ajuda a encontrarem o caminho da paz e despolui os lugares que necessitam de um sentimento renovador. No entanto, se faz necessário deixar-se envolver pela busca constante de pensamento que tragam a pureza do amor.

Esses pensamentos devolvem a credibilidade do sentir-se bem com tudo o que está colocado abaixo dos nossos pés ou acima das nossas cabeças. Sabendo olhar para o lado e para trás, com os horizontes de uma fé verdadeira sem aprisionar a manifestação da liberdade das pessoas, pois cada um de nós precisa ser valorizado pela liberdade que vem de Deus. E não manipulado por caminhos que produzem a destruição da vida com suas manifestações de dor e preconceito.

Portanto, a inclusão de pensamentos objetivos em nossa vida faz com que sintamos uma forte sintonia de leveza em nosso ser. E tudo o que praticarmos fica colocado como registro da positividade no “sentir-se bem” e ajuda-nos a interpretar as dimensões de cada pessoa na determinação de um sentimento acolhedor, isto faz com que nossos corações tenham um pulsar verdadeiro e poderemos ver o valor que as pessoas têm na sociedade com a consciência livre, sem a amarras das interpretações pesadas que desfazem a autonomia de cada ser humano.

Artigos relacionados

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
%d blogueiros gostam disto: