Rabiscos do Silêncio – A Fertilidade da Nossa Consciência

A pessoa humana não está imobilizada em seu estado permanente, mas é um ser que busca neste universo cheio de possibilidades a verdadeira identidade.

Este ser que precisa alimentar a sua percepção da vida com o espelho da consciência.  É dela que vem o aparato do que é certo ou errado como seres ilimitados ou inacabados pela justificativa do que somos.

Mas para conhecer este valoroso instrumento é necessário ter atenção sobre si mesmo, sobre seus atos, sobre suas ações, desviando-se do mundo das coisas dos objetos e se dirigindo ao ser pessoa, pois é desta direção que poderemos formalizar o conceito de sociedade que nos faz trabalhar, conhecer e conviver, sendo membros atuantes dentro desta lógica da vida.

E a consciência precisa estar em uma profunda sintonia com os caminhos das decisões corretas, tendo um farto relacionamento com o mundo exterior. Saber olhar a dimensão do amor com decisões alicerçadas no respeito pela representatividade com a qual ele nos permite mergulhar numa convivência aberta,  sustentada pela inclusão de tudo o que permanece em nós, enriquecendo nossas vontades no acréscimo de novas experiências que precisam acontecer com a vida.

Quando nós alimentamos a nossa consciência com a linguagem da inteligência partilhada tudo se torna mais valoroso em nossa vida, pois ela tem uma dimensão muito profunda que alimenta a fé naquelas opções que nutrem nosso equilíbrio na vontade, no caráter, nas decisões e na liberdade. E toda pessoa que nutre a sua consciência com essas verdades, não procura encobrir a sua existência por caminhos desconhecidos, mas sabe ocupar o seu tempo para suscitar estímulos que gerem inclinações e apetite para as dimensões do amor.

E quando as nossas ações forem de integração com a liberdade que possuímos, a consciência  conquista autonomia nas nossas vontades  e se revela com respeito à natureza, a Deus e às pessoas. E tudo se completa pela transformação na dimensão de um sentimento renovado por todas as coisas que precisam estar inseridas na nossa capacidade de perceber.

Nossa consciência é um terreno fértil, que faz da nossa existência uma bela imagem do que somos e confirma tudo o seremos, com a ajuda de uma fé verdadeira, amor recíproco e reconciliação marcante, mas precisa ser abastecida com a plenitude da vida, pois sairemos de nosso mundo particular mais fortes, reintegrados e compreensíveis com tudo o que envolve condição de sociedade.

Neste sentido a nossa vida ganha a direção certa, sabendo semear sementes de maturidade, integralidade e motivação nos sentimentos das pessoas, tendo a consciência livre para que possamos trabalhar,  orar, repousar e conviver sem atrapalhar ou rejeitar a ordem das coisas.

É maravilhoso perceber a harmonia da consciência das pessoas jorrando paz, amor felicidade e alegria, numa aproximação contagiante que faz da beleza da vida ser a amostra de um novo mundo possível, sem as amarras da violência, engano ou medo, que tantos mal tem feito para a sociedade, tornando o interior das pessoas pesado, carregado de superficialidades.  Precisamos abrir novos horizontes no caminhar de cada pessoa, sabendo escutar a voz de Deus que está presente no íntimo de nossa consciência, nos orientando e inserindo nossa existência na compreensão do valor da vida.

Artigos relacionados

Fechar
%d blogueiros gostam disto: