Clique aqui para acessar
Esportes

Inter e Novo Hamburgo se enfrentam na final do Gauchão

 

O terceiro goleiro, Keiller,saiu do banco para ser herói / Foto: Divulgação Internacional

Uma improvável final decidirá o Campeonato Gaúcho nos próximos dois domingos. O esperado, como sempre, era um Gre-Nal na decisão. Não teremos o maior clássico gaúcho. Na hipótese de um dos grandes ficar de fora, o mais provável, pelas circunstâncias, era que o Inter não fosse defender a sua hegemonia. Nada disso aconteceu.

Os colorados seguem vivos na busca pelo heptacampeonato. Seu adversário será o Novo Hamburgo, com o último jogo tendo o mando de campo do time da região metropolitana. O Grêmio, com todo o seu investimento para a temporada, não conseguiu superar o muro defensivo anilado e pelo segundo ano consecutivo não está na final.

Foram dois confrontos, um só destino: os pênaltis. Em 180 minutos, as maiores forças do futebol gaúcho não conseguiram superar os seus adversários. Ontem, no Centenário, o Caxias devolveu o 1 a 0 no Inter, levando a decisão para as penalidades, vencidas pelos colorados por 5 a 3. Na terra do calçado, o Novo Hamburgo empatou em 1 a 1 com o Grêmio. Nos tiros da marca dos 11 metros, o Anilado venceu por 7 a 6.

O protagonista colorado sequer era cotado para ser um coadjuvante. Fazia parte, apenas, do elenco de apoio. Estrear num jogo decisivo e defender dois pênaltis parece inverossímil. Não para Keiller. Aos 20 anos, o goleiro colorado precisou substituir o lesionado Marcelo Lomba. Nos 90 minutos, ele defendeu cobrança de Gilmar, em lance que poderia culminar numa decisão interiorana. Depois, já na decisão por pênaltis, ele parou o chute de Marlon. “ Nunca imaginei uma estreia assim”, comemorou Keiller, o terceiro goleiro colorado.

O avanço do Novo Hamburgo é tão incomum que, quando o clube chegou pela última vez à final do Estadual, sequer se chamava Novo Hamburgo. Ainda como Floriano, a equipe do Vale do Sinos foi vice-campeã em 1942, 1947, 1949, 1950 e 1952. Dessa vez, chegou à final pelas mãos do goleiro Matheus, que defendeu duas cobranças na decisão por pênaltis.

É uma história contada há milênios. Desde Davi e Golias os pequenos desafiam os grandes. No futebol gaúcho, poucos conseguiram derrubar os gigantes da Dupla Gre-Nal. O Novo Hamburgo é o mais novo desafiante.

Deixe uma resposta

Fechar
%d blogueiros gostam disto: