Quartéis dos Bombeiros funcionam em dias intercalados no Norte e Noroeste do RS

 

Foto: Reprodução reportagem da RBS TV

O corte de horas extras, o efetivo reduzido e o deslocamento de homens para o litoral por conta da Operação Golfinho tem feito com que os quartéis do Corpo de Bombeiros diminuam as atividades. No Norte do Rio Grande do Sul, cinco unidades passaram a funcionar em dias intercalados.

A cidade de Palmeira das Missões tem apenas sete bombeiros, quando o ideal seriam 25, o que faz com que o funcionamento ocorra em dias intercalados. Quando está fechado, o atendimento é feito pelos bombeiros de Frederico Westphalen. Conforme o comandante do 4º Pelotão, sargento Fernando Fagundes dos Santos, “se não tiver servidores para atender as ocorrências, não tem como atender. Se fecha o quartel e aciona o município mais próximo”.

As ligações são direcionadas para os quartéis que fazem a cobertura, mas a população reclama que o deslocamento de mais de uma hora, pode colocar vidas em risco. “A gente que mora aqui pertinho vê duas, três, quatro, cinco chamadas por dia, e agora acontece de não ter gente para trabalhar. O que vai ser de nós?”, indaga uma dona de casa.

Mas a situação verificada em Palmeira das Missões se repete também na cidade de Frederico Westphalen, além de Lagoa Vermelha, Soledade e Guaporé. Todos pertencem ao comando regional de Passo Fundo, cidade esta onde um quartel também foi fechado.

“Nós temos uma limitação constitucional ou legal da quantidade de carga horária de cada servidor que pode tirar durante o mês, não resta outra alternativa a não ser interromper os serviços por alguns dias, mas sempre tentando, na verdade, fazer com que a interrupção do serviço se dê por mais de 24 horas”, afirma o chefe de estado maior do 7º Batalhão do Corpo de Bombeiros, major Volnei Ceolin.

No Noroeste do estado, o quartel pode ficar fechado por até três dias, como é o caso de Panambi. Em casos de emergência são acionados os bombeiros de cidades como Cruz Alta ou Ijuí, que ficam a cerca de 40 quilômetros de distância.

A previsão de normalização do serviço é prevista para julho, quando serão formadas duas turmas que estão fazendo o curso de bombeiros em Cruz Alta e Passo Fundo.

Por meio de nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP), responsável pelo repasse de recursos para a Brigada Militar, que direciona a verba para o Corpo de Bombeiros, disse que o valor das horas extras pago em janeiro foi igual ao valor pago no mesmo período do ano passado.

É esperada ainda, conforme a SSP, uma resposta da Secretaria da Fazenda sobre um pedido de liberação da cota de horas extras previstas para o primeiro semestre de 2017. A pasta informou que o comando do Corpo de Bombeiros pode requerer suplementação de verba para a Brigada Militar.

Fonte: Portal G1 RS

 

Artigos relacionados

Fechar
%d blogueiros gostam disto: