MundoPolícia

Polícia diz que morte de embaixador da Grécia no Brasil foi crime passional

 

Diretor da Divisão de Homicídios, Rivaldo Barboda, e o delegado de Homicídios da Baixada Fluminense, Evaristo Pontes Magalhães, detalham o assassinato do embaixador da Grécia, Kyriakos Amiridis / Foto: Reprodução Agência Brasil - Fernando Frazão
Diretor da Divisão de Homicídios, Rivaldo Barboda, e o delegado de Homicídios da Baixada Fluminense, Evaristo Pontes Magalhães, detalham o assassinato do embaixador da Grécia, Kyriakos Amiridis / Foto: Reprodução Agência Brasil – Fernando Frazão

A morte do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriankos Amiridis, foi decorrente de crime passional, envolvendo sua esposa, embaixatriz Françoise de Souza Oliveira, que já está presa. A informação foi confirmada pelo delegado Evaristo Pontes, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), responsável pelas investigações, durante coletiva de imprensa nessa sexta-feira, 30 de dezembro.

O carro que o embaixador dirigia foi encontrado queimado, na manhã de quinta, dia 29, embaixo de um viaduto do Arco Metropolitano, em Nova Iguaçu. Dentro, estava o corpo carbonizado do diplomata.

Segundo o delegado, Amiridis foi morto dentro de sua casa, em Nova Iguaçu, por um policial militar que era amante da embaixatriz. Depois ele foi levado para o carro, enrolado em um tapete, com a ajuda do primo do PM.

O PM aparece em gravações de câmeras de segurança, no condomínio do embaixador. Ele e o primo confessaram participação no crime, mas a embaixatriz nega que tenha participado. Porém, segundo o delegado Pontes, ela foi a mentora intelectual do assassinato.

Os três tiveram prisão temporária de 30 dias expedida pela Justiça. Uma quarta pessoa, um mototaxista que levou o PM até o local onde o carro foi incendiado, está sendo investigado, mas não teve sua prisão pedida.

Entre as motivações para o crime, pode estar a apropriação de bens e até de seguro de vida do embaixador, mas isto ainda está sendo investigado.

O diretor da Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro, delegado Rivaldo Barbosa, pediu desculpas ao povo grego pelo crime, classificado por ele como “cruel, covarde e desarrazoado”.

O diplomata estava desaparecido desde a última segunda-feira, dia 26. Amiridis morava em Brasília e passava férias no Rio, onde foi cônsul-geral de 2001 a 2004.

Fonte: Agência Brasil

 

Deixe uma resposta

Fechar
%d blogueiros gostam disto: