Clique aqui para acessar

Bolívia denuncia funcionária que autorizou voo da Chapecoense

Celia Castedo Monasterio havia apontado problemas no documento apresentado pela tripulação, mas ainda assim a aeronave decolou

REPRODUÇÃO TWITTER ALEXANDRE PEREIRA Aeronave que levava a delegação da Chapecoense da Bolívia para Colômbia tinha o escudo do clube
REPRODUÇÃO TWITTER ALEXANDRE PEREIRA
Aeronave que levava a delegação da Chapecoense da Bolívia para Colômbia tinha o escudo do clube

A (Aasana) Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea da Bolívia apresentou uma denúncia penal contra a funcionária que revisou e autorizou o plano de voo do avião da Lamia que caiu com a delegação da Chapecoense, deixando 71 mortos.

Celia Castedo Monasterio havia apontado problemas no documento apresentado pela tripulação, mas ainda assim a aeronave decolou do aeroporto internacional de Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, rumo a Medellín, na Colômbia.

Uma das inconsistências no plano de voo dizia respeito à ausência de escalas. A tripulação da Lamia informou que faria o trajeto de aproximadamente 3 mil km sem paradas, embora a distância fosse igual à autonomia do avião. Segundo os investigadores colombianos, o jato caiu com os tanques de combustível vazios.

No entanto, o plano apresentado às autoridades da Colômbia era diferente e incluía uma escala para reabastecimento em Cobija, ainda na Bolívia, que não aconteceu. De acordo com a Aasana, foram detectados erros na documentação do voo da Lamia.

A denúncia contra Monasterio foi apresentada ao Ministério Público do Distrito de Santa Cruz e pede uma investigação por “não cumprimento de deveres” e “atentado contra a segurança dos transportes”. Ambos podem levar a uma pena de um a quatro anos de prisão, segundo o jornal boliviano “El Deber”.

Após o acidente, o diretor da Aasana, Tito Gandarillas, foi exonerado do cargo. Já Monasterio está suspensa de suas funções por suspeita de negligência. O objetivo da denúncia é saber por que a funcionária, que tem mais de 20 anos de experiência, autorizou um plano de voo que ela própria havia questionado.

A Bolívia também investiga possíveis ligações entre a Lamia e a Conmebol, já que a empresa tinha amplo acesso a equipes sul-americanas, apesar de sua frota ter somente três aviões e da pouca experiência no mercado. Com informações da Ansa

Fonte: Esporte – iG 

 

Fechar
%d blogueiros gostam disto: